30 outubro 2008

HALLOWEEN - BRUXAS OU SACIS?



Raloin ou saci?
Folclore norte americano ou nacionalista?
A escolha é sua.
Comecemos pelo Raloin – Há uma festa em São Luis do Paraitinga com este nome.
Enganam-se os que pensam que é brincadeira de criança. Mais da metade das fantasias são vendidas a adultos.
Mas, embora o Raloin seja de suma importância para os comerciantes americanos a festa teve início com os povos celtas.
Os irlandeses introduziram o Halloween nos Estados Unidos.
O dia 31 de outubro não é uma escolha por acaso. No calendário celta, este é um dos quatro principais dias de descanso das bruxas.
O primeiro – dois de fevereiro - é o dia da Marmota e o último, Samhain, marcava a entrada do inverno. Neste, os druidas executavam rituais em que um caldeirão simbolizava a abundância da deusa. Era tempo sagrado de superstição e de conjurações de espirito.
Para os druidas, 31 de outubro era a noite em que voltavam os espíritos dos mortos. Eles precisavam ser apaziguados ou agradados; caso contrário, os vivos seriam ludibriados. Acendiam-se enormes fogueiras nos topos das colinas para afugentar os espíritos maus e aplacar os poderes sobrenaturais que controlavam os processos da natureza.
A Igreja Católica que celebrava o "Dia de Todos os Santos" ou “dos Mortos” no mês de maio e não dia 1 de novembro, por meio do Papa Gregorio III, que tentava apaziguar a situação nos territórios pagãos recém conquistados no noroeste da Europa, resolveu combinar o útil ao agradável e mudou a data de comemoração unindo o antigo ritual do "Dia de Samhain" com o dia de Finados (algo parecido com o que os católicos fizeram no Brasil com os deuses africanos e os santos da igreja no tempo da escravidão). O Panteão de Roma, templo edificado para adoração de uma multiplicidade de deuses, foi transformado em igreja. Os cristãos celebravam ali o dia dos santos falecidos no dia posterior ao que os pagãos reverenciavam seu Senhor dos Mortos.
Aproveitavam a data para queimar vivos na fogueira eventuais inimigos.
Resumo da ópera, o culto aos deuses virou mais uma farsa, como de hábito.
Puro comércio de abobrinhas.
E o Saci?
Negrinho de uma perna só?
Coisa nenhuma.
Era um curumim perneta, de cabelos avermelhados, lá do sul do País. Da região das Missões e possuía rabo. Para comprovar que é gaúcho da gema, o saci foi adotado como mascote do Sport Club Internacional.
Acho que é por isso que o time anda meio capenga para alegria dos tricolores olímpicos.
Na Região Norte do Brasil, a mitologia africana o transformou em um negrinho que perdeu uma perna lutando capoeira, imagem que prevalece nos dias de hoje. Herdou também a cultura africana do pito, uma espécie de cachimbo.
Os mineiros aproveitaram a idéia do pito e lhe deram um bastão e um laço ou cinto, que usa de modo similar a "vara de condão" das fadas européias.
Se alguém desejar capturá-lo é necessário jogar uma peneira sobre ele. Após o feito, deve-se tirar o gorro e prender o saci dentro de uma garrafa. Desta forma ele irá obedecer seu “proprietário”.
Algo como “Jeannie é um gênio” ou a “Feiticeira”.
Prefiro estas.
Simbolizado como guardião das florestas deveria ser contratado pelo IBAMA para proteger o desmatamento da selva amazônica.
Diz a lenda, que como o capeta, tem medo de rosários e de imagens de santos. Quando quer desaparecer, transforma-se num corrupio de vento.
Deve ser por isso que políticos criaram um dia só para ele.
Ficou na dúvida sobre qual festa participar?
Coloque uma perna em cada barco, ora.
Não vai dar, porque o saci só tem uma?
A direita ou a esquerda?
Deve ser a esquerda, pois o projeto de lei que instituiu seu dia partiu do deputado Aldo Rabello do PC do B e da deputada Ângela Guandanin – a da dança da pizza do PT.
Aliás, maldosamente, correu no Congresso Nacional o boato que era a união perfeita do Saci com a Bruxa.
Ficamos assim, para mais não dizer, além de que todas as informações acima foram colhidas na internet, objeto de um árduo trabalho de pesquisa ou plágio.
Doce da bruxa ou travessura do saci?

Um comentário:

A Senhora disse...

E eu adoro chocolate... rss