22 maio 2017

“Pior não Fica”...




Seis da manhã! Muitos palhaços tomam café assistindo a TV.
Monótonas e repetitivas notícias:
“O sítio não era meu”.
“O apartamento não era meu”.
“A culpa é dela”.
“A gravação foi editada”.
“Friboi? Sou vegano”.
“A Previdência vai quebrar”.
“A Reforma aumentará os empregos”.
“Não tenho nada a ver com Bancoop”.
“As doações....
...........................................................................................
A campainha interrompe um café...
...........................................................................................
Quem é, Florentina?
Um Japonês.
Sr. Francisco Everardo?
Sim!
O senhor está detido por crime eleitoral.
O que eu fiz?
Promessas de campanha falsas.
Como assim?
O senhor dizia: “Pior não Fica”...
--------------------------------------------------------------------------------   

12 maio 2017

A APARIÇÃO DE MARISA


Calma! Não é a Federal
Sou eu! A sua galega
Dizia-se meu amigo
O meu grande protetor
Exemplo ético e moral
Dá um tempo! Chega!
Ora! Faça-me o favor!

Está tudo bem comigo
Exceto pelo calor
Parecendo o Guarujá
Aqui tem muitas fogueiras
Espetos a cutucar
Cansaram-me suas besteiras
Querendo me acusar

Que vergonha o depoimento!
Não vi na televisão
Estive de alma presente
Melhor se ficasse mudo
Eu fui a culpada de tudo?
Comprei pra investimento?
Quem queria ver o marzão?

Você não é o mais valente?
O que só fala a verdade
Deu agora de me entregar
Fazer essa cachorrada
Você não sabia de nada?
Não me faltou uma vontade
Danada de lhe enforcar

Fiquei numa enrascada
Na triagem do purgatório
Eu jurei não saber de nada
Arderei em fogo eterno
Minha vida será um inferno
Sabe o discurso do velório
Virei motivo de piada

Quando passo é um diz-que-diz-que
Lá vem a mulher do santo
Do brasileiro mais puro
Contar que bebeu o meu uísque
Devia estar num porre e tanto
Nem sei por que me espanto
Sempre foi um dedo-duro

Acho que fui meio xarope
Sem Brasília no caminho
Pensei que iria sossegar
Pedi ao Leozinho reformar
Nosso prédio da Bancoop
Comprei até um barquinho
Pra em Atibaia descansar

Somos jararaca e cascavel
Sei que não irei pro céu
Estou negociando com o Cão
Para esfriar meu caldeirão
Fazer a minha delação
E você que me espere
Se eu lhe vir com Rosemary



Não terá conversa não
Venho lhe pegar a tapa
Vai preferir que fosse o Japa
Cumprindo ordem de prisão
----------------------------------------------------------------

http://www.recantodasletras.com.br/cordel/5997073

03 maio 2017

DIÁLOGO

 
Gigi!
Que foi, Toinho?
Tão desconfiando da gente.
Liga não! Inveja.
Esse povinho é muito intriguento.
Será que viram a gente?
Papparazzi?
Aquele hotel... As paredes têm ouvidos.
O Zeca garantiu que era seguro.
Seguro? Até o Niemeyer morreu de velho.
Vamos dar tempo ao tempo.
Verdade... O tempo prescreve tudo.
Relaxar...
Sermos livres...
Boa ideia!
Viva a liberdade!
Vamos dançar?
Escolha um cd.
Pode ser Tim Maia?
Genial!
Me dê um motivo... Vale tudo...

16 abril 2017

LAVA-RÁPIDO E AS PROPINAS CELESTIAIS


Reza a lenda que encontraram meu nome numa lista de "relação-premiada de um Lava-Rápido".

É mentira. Pedia até Nota Fiscal Paulista.

Lavava, sim, em tempos passados, meu carro, quase de graça. Brinde declarado de um posto de gasolina. Bastava encher o tanque com no mínimo vinte litros de combustível. Se fosse álcool, não tinha direito ao pretinho no pneu.

Questionei e respondeu-me o frentista: A esmola não pode ser demais, senão até eleitor desconfia. Mas, se o senhor quiser eu passo o produto.

Cabe ressaltar que o posto, apesar de ter um monte de bandeirinhas de clubes de futebol pelas paredes, não tinha nenhuma da Petrobrás.

Portanto, até pela falta de bandeirinha, não via nenhum impedimento na lavagem.

O rapaz fez rápido o serviço, como convém nestas situações.

Considerando que todo trabalhador merece justa compensação, mas também pelo “pretinho no pneu” além, ofereci-lhe algumas moedas. Nem perto de trinta. Quase todas de valor inferior a cinquenta centavos, que incomodavam no bolso.

Cabe neste momento declarar que nenhum daqueles centavos fora desviado dos cofrinhos de meus filhos. Essas coisas, sabe... tipo assim..., a nível de... sonegação de mesada.

E eu podia fazer isso.

Vice-diretor financeiro lá de casa, com direito a dizer sim.

Mas, não!

Havia algo maior.

O frentista do posto tinha uma memória de elefante.

Negou-se a pegar as moedas e foi falando: “O senhor não é o Patriarca de “Apóstolos de Pedro”? Ao senhor tenho apenas que agradecer! É um dever para mim colaborar com sua seita”.

Entre temeroso e orgulhoso assenti. Temeroso que fosse uma pegadinha e orgulhoso por mais alguém acreditar no Apostolado.

O rapaz prosseguiu, para desespero dos demais premiados pelo Lava-Rápido: “Homens de igrejas são do bem. Oferecem milagres, perdão, riquezas, não é mesmo”, indagou sorrindo o jovem.

“Pena que eu não tenha como pagar o dízimo para receber todos aquelas coisas em troca”, prosseguiu.

Agradeci ao rapaz e segui meu rumo.

Essa é a verdade!

Se esse rapaz foi pego na operação da polícia federal que lacrou o posto por adulteração de combustível e está me delatando, saibam que é tudo mentira essa história de receber propina para perdoar pecados.

Nunca prometi isso.

Pelos outros não respondo.