18 março 2010

ZONA NORTE É DO OUTRO LADO...

Hoje os moradores de Entre Rios devem ter amanhecido felizes.
Para esclarecer: Entre Rios é uma cidade fictícia idealizada pelo Padre Anchieta e que seria muito tranqüila. Hoje é conhecida por St. Paul. Mais detalhes em meu livro “À Independência, Entre Rios!”.
Prolegômenos propedêuticos perfunctórios à parte voltemos à narrativa.
Diminuíram os riscos de invasão em Entre Rios.
O trânsito está congestionado nas Avenidas Água Fria, Nova Cantareira, Voluntários da Pátria e Cruzeiro do Sul.
Ouvi no meu rádio FM. Em Entre Rios já tem FM.
Disseram que está quase impossível chegar às Pontes das Bandeiras e Cruzeiro do Sul.
Para quem não conhece Entre Rios as referidas avenidas e pontes são as principais ligações desta Zona que está o lado de cá de St. Paul com a Zona do outro lado... Do Norte.
Ufa! Que alívio!
Eles não conseguem mais vir para cá.
Nem nós para lá.
Nem para lugar nenhum.

Sair de casa de automóvel em St. Paul significa já estar parado em fila tripla.
Colocaram uns faroletes que ficam piscando vermelho, verde e amarelo... Não sei para que servem... Será a torcida do Sampaio Correia chegando?
Têm também umas placas com uns números 50, 60, 70. Se for para indicar velocidade estão muito baixas. Os pilotos dos aviões não enxergam.
Sabe que às vezes tenho vontade de ir à Zona Norte.
Eu já fui lá.
Verdade!
Dava para ir.
Diziam que lá existia ar puro. Tinha essa fama por causa da Serra da Cantareira. Mas com essa poluição dos carros parados, sei não!
Ainda tem um monte de empreendimentos da BANCOOP, essa cooperativa que não cheira bem...
Vixe!
De qualquer forma, está nos planos, um dia desses, ver se a Zona Norte ainda está pelos lados de lá do outro lado do Rio Tietê.
Já fiz até o trajeto para chegar depressa.
Pego o Metrô aqui perto de casa e desço na Estação Armênia (Ponte Pequena). Ando até o campo de Marte, perto do Sambódromo. Se eu conseguir atravessar a avenida, porque na passarela tem muito assalto. Alugo um helicóptero, desembarco na Pedra Grande em Atibaia. Se o vento estiver bom e não tiver enchente na cidade desço de asa delta até o centro e embarco num ônibus da Vasp (Viação Atibaia São Paulo) até o trevo de Mairiporã, porque a Fernão Dias também está sempre congestionada. Depois que duplicaram, em dobro...
Agora, só tomar um ônibus que vem por dentro da serra e estarei no Jaçanã.
Ficou com inveja, Adoniram?
Vocês acham que demora muito?
Experimentem ir de carro?

2 comentários:

Miriam de Sales Oliveira disse...

Que viagem!Qualquer dia desses vc estará no Survived;vou assistir.
Tomara q/vc sobreviva até receber o ap. do Bancoop.Vê se se lembra de me oferecer um cafézinho.
Axé!

Anne Lieri disse...

Pedro,nossa cidade está mesmo dificil de andar!Acho que seu trajeto é mesmo o melhor!Adorei seu texto e tb por vindo me visitar!Abraços,