24 agosto 2008

BEIJO, ABRAÇO, APERTO DE MÃO

Na Bienal do Livro resolvi fazer algumas brincadeiras para divulgar meus livros.
Percebi que alguns estandes davam balinhas, resolvi saciar a fome de leitura e escrevi haikais e distribuir como amostra grátis.
Só para mulheres é claro...
Machos, vade retro, satã!
Principalmente para adolescentes.
Grupinhos de estudantes, então...
Um prato cheio...
De novo, o velho mote...
Olhem um autor...
Chamavam outras...
Como os haikais são herméticos e de “difícil” compreensão, algumas me perguntavam o significado.
Aproveitava para dar algumas dicas de versos, métricas, rimas e alguns olhinhos brilhavam.
O mais emocionante mesmo foi quando uma garota de uns catorze anos, de uma escola pública de Itapecerica da Serra, depois de me perguntar o significado do haikai, perguntou quem era o autor.
Disse-lhe que era eu...
Desconfiada olhou para o crachá.
Cochichou algo com uma colega, encorajou-se e disparou:
Eu posso pedir uma coisa para o senhor?
Pensei que pediria para eu autografar o marcador de páginas.
Posso apertar a sua mão?
Gelei um segundo e brinquei com ela, esticando a mão.
Pode apertar tudo... Pode abraçar, beijar...
Ela fez isso.
As outras quatro também...
Fotografaram.
Hoje devo estar conhecido na cidade.
Graças a simplicidade dessa menina.
Lembrei-me da brincadeira “erótica” de adolescência dos anos 60.
Daqui a alguns anos, será que elas vão querer me abraçar?
Tomara que sim...
Para a jovem, um recado:
”Não sei onde você andará, nem o que fará da foto, mas vou lembrar sempre da emoção que me causou.”
Você merece um aperto de mão, um abraço e um beijo.

Um comentário:

A Senhora disse...

Foram realmente ótimas aquelas "balinhas"! :)
Mais engraçadas eram aquelas desconfiadas que, quando você oferecia, esquivavam-se, como se o fato de aceitar o haikai implicasse num compromisso com algo misterioso...

boa semana!