02 maio 2008

PAULINHO, ACREDITO EM VOCÊ

Disse o Senhor: “Procura e acharás...”
Está na Bíblia...
Disse Paulinho, da Força: “Tem muito Paulinho por aí...”
Está nos jornais...
Acredito em tudo isso e juntei os meus conhecimentos de lógica dedutiva, induzi-me a uma força sobre humana e fui à luta...
Vamos encontrar o Paulinho certo...
Mãos à obra, lápis e papel às mãos e tome sola de sapato...
Comecei pelo meu prédio...
Vou de cima para baixo que é mais fácil...
Tinha o Paulinho do 171...
Seu Paulo, o senhor sabe alguma coisa do rolo do BNDES?
Sou velho, mas não sou da época dos BONDES, não meu filho...
Não era o Paulinho 171...
Vamos ao 158... É o Paulinho que recebe umas encomendas em envelopes lacrados... A gente sempre pensou que fossem artigos pornôs, de sex-shops, mas quem sabe...
Nada a declarar, meu querido... Eu nem sei onde fica Brasília... Tudo intriga...
Tem o Paulinho do 155... É vizinho, não custa tentar...
Oh! Meu camarada, que pergunta mais impertinente... Sou eu lá de mexer com política... Isso iria roubar meu tempo de lazer... Tô fora...
Desci até o térreo e perguntei ao Paulinho, filho do zelador, que estava outra vez passando com o velocípede no meio dos carros no estacionamento...
Ele achou que fosse levar outra bronca e já foi logo dizendo:
”Não fui eu... Não tive culpa... Foi sem querer...”
Nada conseguindo no prédio, vamos para a rua...
Lembrei-me... O rapaz do hot dog do ponto de ônibus...
Oh! Paulinho... Você não está metido nessa fria, está...
Que é isso, companheiro... (Pronto, um suspeito)...
Meus rotidogui é tudo quentinho... Requento várias vezes, mas estão sempre quentinhos...
Tinha o Linho, que jogou futebol na várzea... Andou metido numas enrascadas com drogas, tinha ficha criminal light... Uns furtos, umas receptações, uns cheques sem fundo... Nunca usou armas... Mãos limpas... Só no gogó...
Bati na casa da mãe dele, porque o Linho está em repouso forçado num tal de CDP...
Além de ter um álibi quase perfeito, descobri que ele não se chama Paulinho e sim Getulinho...
Não vou desistir...
Já fiz até promessa para São Longuinho... Se eu encontrar dou três pulinhos...
Um telefonema para a Policia Federal e uma força para o Paulinho...
Só estou com um problema...
O Manezinho Araujo e o Catulo da Paixão fizeram uma música gravada pelo Jackson do Pandeiro, que chamava “Como tem Zé na Paraíba...”
Como tem Paulinho aqui no meu pedaço...
Como Diógenes, continuo procurando o culpado certo.....

Um comentário:

: Rômullo Backer : disse...

Quem acredita sempre alcança...
bons textos, gostei...