16 setembro 2008

O MENINO PARTEIRO



O Robert, um garoto de oito anos ajudou a mãe, a Roberta, no trabalho de parto EM Guaianases, Zona Leste de São Paulo.
Mérito do menino, sem dúvida!
Trinta segundos na Vênus Platinada é um feito importante.
Felizmente, como é o normal, o parto não foi complicado.
A Lidiane nasceria de qualquer modo.
Numa viatura, numa praça, no ponto de ônibus.
O que passou batido na situação foram declarações do pai, o Leonardo.
Ele disse ter ligado para o SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) e ninguém atendeu o 192.
Também pudera a audácia.
Acordar o pessoal de madrugada, numa noite de frio.
Léo, você é um desinformado.
Está no site do Ministério da Saúde:
Deve-se chamar o SAMU através do telefone 192, nas seguintes ocorrências:
Está lá no quinto dos doze itens:
- Em trabalhos de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto.
Se o leitor for curioso quanto aos demais itens, dê uma lida no site.
Pôxa, vida, Léo... Você não sabia disso?
Além do que, ter filho de madrugada, só é bom na passagem do ano para saber quem é o primeiro nenê do ano.
E é sempre um pobre.
Gestante rica está comemorando o reveilon e não usa o SAMU.
Só conheço uma pessoa de classe média que o filho atrapalhou a ceia de Natal.
A família ficou em duvida se o batizavam como Natalício, Natal ou Noel.
Registraram o garoto com o nome de Pascoal e até hoje ele confunde sua data de nascimento...
Senhor pai da Lidiane, fique sabendo que em uma eventual nova ocasião, o melhor é ligar para o 190 e dizer que é briga de vizinho.
Uma mentirinha dessas não faz mal.
Eles vêm rapidinho, acionam a sirene e dá tempo de chegar ao Pronto Socorro, mesmo que seja na zona Leste de São Paulo.
Que a Lidiane e sua família sejam muito felizes e não tenham problemas cardio-respiratórios, intoxicações exógenas (o que é isso?), queimaduras graves, sofram maus tratos, tentem o suicídio, sofram de hipertensão, não se afoguem ou levem choques elétricos, nem com produtos perigosos, não sofram traumas ou acidentes com vitimas (se não houver vítimas para que chamar?) e tampouco precisem de transferência hospitalar com risco de morte, que é quando se deve chamar o SAMU.
Se não for de madrugada.
Para terminar me penitencio...
Nunca mais reclamo do meu plano de Saúde.
Tem coisas bem piores.

3 comentários:

Toninho Moura disse...

Nós que somos privilegiados com a possibilidade de ter um plano de saúde, não imaginamos o sufoco que o pessoal das classes menos favorecidas passa.
Agora, uma pergunta: e se eles não fossem obrigados a votar, os que votariam conseguiriam construir uma sociedade melhor?
Braços!

Enio Luiz Vedovello disse...

Como sempre, a situação da saúde no país é calamitosa para quem precisa dos serviços públicos. Me lembro do Fernando Henrique garantindo à população que não privatizaria saúde e educação. Não precisava, já estavam privatizados há anos.

A Senhora disse...

Menino, fiquei sabendo ontem dessa história do moleque-parteiro! Eu nunca reclamei do meu plano de saúde - eu reclamava de o quanto minha empregada faltava para ser atendida pelo SUS! DAí eu paguei um plano de saúde para ela - saía mais barato...