22 maio 2010

CACHORRADA COM AS BRUXAS


Quando vi ao longe na banca de jornais a capa da Revista dizendo: “A CONFISSÃO DA BRUXA” veio-me a ansiedade.
O ônibus precisava chegar logo ao meu destino para eu comprá-la.
Afinal bruxas não confessam desde os tempos da Inquisição, quando eram transformadas em churrasco.
Veio-me o raciocínio que alguma bruxa abandonara o místico círculo, revoltada com o alto o custo de manutenção de vassouras “flex”, que não foram incluídas nos bens com isenção de IPI, decidira “abrir o bico”.
Essa minha imaginação! Claro que não!
Mais provável tenha sido desclassificada nas quartas de finais do Miss Halloween, por não possuir a necessária leveza sobrenatural exigida.
Ufa! Dei uma enroladinha porque o trânsito estava “carregado”.
Espero que de “Magia Branca”.
Por favor, me veja essa revista...
Peraí!
Bruxa loira?
De óculos?
Quase fui enganado... Essa imprensa sensacionalista!
É apenas o caso da procuradora carioca que queria adotar uma criança.
Ela jura sobre a Bíblia que apenas xingou a menina de “cachorra”.
Está presa e proibida de entrar em bailes funks, pois pelos hematomas da criança parece que ela gosta de “chutar cachorras”.
Sinceramente, essa manchete é uma cachorrada com as bruxas.
Bruxas não são assim.

Um comentário:

Mirian Martin disse...

Não são, mesmo!!!